sexta-feira, 2 de maio de 2008

Índice de Massa Corporal

É um pouco subjectivo falarmos em alimentação saudável, pois cada um de nós tem necessidades específicas, no que diz respeito aos variados componentes dos alimentos.
Contudo, podemos basear-nos no Índice de Massa Corporal (IMC), para nos indicar se o peso do nosso corpo é adequado e se, consequentemente, é necessário fazermos alguns ajustes na nossa alimentação.
O IMC é uma medida que associa o peso à altura de uma pessoa, calculando-se pela seguinte fórmula:



Desta forma, através do resultado desta equação, podemos classificar as pessoas em 6 categorias diferentes:


  1. 19,9 ou menor: peso inferior ao normal
  2. 20,0 – 24,9: peso normal
  3. 25,0 – 29,9: peso superior ao normal
  4. 30,0 – 34,9: obesidade de tipo I
  5. 35,0 – 39,9: obesidade de tipo II
  6. 40,0 ou maior: obesidade de tipo III

Todavia, é de frisar que o cálculo do IMC, não substitui a consulta com um nutricionista, já que este possui métodos que permitem avaliar o estado nutricional da pessoa, para que depois posso tomar as medidas mais adequadas e personalizadas.

A Diabetes

O que é a diabetes?
A diabetes é uma doença causada pela falta ou pela ineficácia de insulina.
A insulina é uma hormona fabricada no pâncreas. A sua função é fazer com que o açúcar (glicose) que circula no sangue, entre nas células do nosso corpo.

De onde provém e para que serve a glicose?
A glicose é a forma mais simples de açúcar e serve de fonte de energia para o nosso corpo. Quando nos mexemos, queimamos glicose para obter energia; para vivermos com saúde precisamos que todas as partes do corpo sejam alimentadas com glicose.
A glicose que circula no sangue vem da transformação dos alimentos que comemos. A massa, o arroz, o pão e os cereais integrais, os legumes e outros produtos hortícolas, contêm açúcar de absorção lenta que são assimilados e transformados lentamente em glicose. Podem ser comidos pelos diabéticos. Os doces, o açúcar de açucareiro, os bolos, as farinhas muito refinadas, os chocolates, os refrigerantes, entre outros, têm açúcar de absorção rápida, que fazem subir muito depressa a glicose no sangue. Os diabéticos devem então evitá-los.
Quando o nível de glicose sobe no sangue, o pâncreas produz insulina; a glicose entra nas células para ser utilizada como combustível e o nível de glicose no sangue (glicemia) normaliza. Quando há falta de insulina, o nível de glicose no sangue mantém-se elevado.
Considera-se o valor da glicemia (glicose no sangue) em jejum:
  • Normal de 80 - 110mg/dl
  • Intolerância à glucose oral (tendência para diabetes) de 111 - 126mg/dl
  • Diabetes (mínimo duas análises) mais de 126mg/dl

Um diabético não tratado urina muitas vezes e em grande quantidade, tem muita fome e muita sede (chegando a beber 5 litros de água por dia), mas, apesar disso pode estar magro e desidratado (a língua está seca e sabe a papel). As mulheres têm com frequência infecções urinárias e comichão vaginal.

O exercício físico:

O exercício físico, como andar a pé, de bicicleta, fazer ginástica ou nadar, ajuda a "queimar" a glicose que se encontra a mais no sangue. Trinta minutos de exercício moderado duas vezes por dia (de preferência depois das refeições principais) ajudam a controlar a diabetes e a evitar as suas complicações. Os diabéticos não devem fazer exercício em jejum, porque há perigo de hipoglicemia (nível de glicose no sangue muito baixo).

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Distúrbios alimentares e moda


Actualmente, cada vez mais se ouve falar em doenças como a anorexia e a bulimia e de como a indústria da moda poderá estar envolvida no aumento da incidência de tais doenças.

Contudo, poderá esta indústria por si só, ser a causadora de distúrbios alimentares em jovens?

De acordo com o Serviço de Psiquiatria dos Hospitais da Universidade de Coimbra, esta não poderá ser a única razão para o desenvolvimento deste tipo de doenças. Contudo, referem que "a pressão cultural para a magreza, a insatisfação e a preocupação com o peso podem contribuir para o aumento da vulnerabilidade, que por sua vez pode levar à tomada de decisão de iniciar uma dieta", factor que por si só "não constitui uma condição suficiente para o desencadear de um distúrbio alimentar, mas é uma condição necessária".

No entanto, mencionam que estes factores necessitam estar associados a outros, já que na origem destas doenças psiquiátricas, está a interacção entre factores psicológicos, biológicos, familiares e socioculturais.

Desta forma, alguns governos viram-se obrigados a tomar medidas que visam combater a influência da indústria da moda na propagação destas patologias. No caso de Espanha, estas medidas destinam-se a proteger o público e a saúde das manequins, proibindo que modelos com peso abaixo do normal, ou seja, com Índice de Massa Corporal abaixo dos 18 Kg/m2, desfilassem numa passerelle de Madrid.

Assim, serão estas medidas correctas para combater o desenvolvimento de distúrbios alimentares?

Fica em aberto a discussão.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Fula Nutri+


O Fula nutri+ é o primeiro óleo vegetal a nível mundial enriquecido em ALA e DHA.

O ALA (ácido α-linolénico) e o DHA (ácido dososahexaenóico) são tipos de ácidos gordos de omega-3, que não sendo produzidos pelo próprio corpo são importantes numa dieta saudável. Pois contribuem para o bom funcionamento dos neurónios e estimulam o desenvolvimento das capacidades cognitivas, contribuindo para uma melhor aprendizagem, memória e concentração.

Estes ácidos gordos durante as frituras são incorporados nos alimentos, mas também podem ser encontrados em nozes, óleo e sementes de linho (ALA) e em peixe, marisco e leite materno (DHA).


Então surge a questão: Para que a nossa dieta contenha estes ácidos gordos será necessário consumir mais alimentos fritos?


Na nossa opinião não será necessário, porque tal como foi dito anteriormente, estes nutrientes estão presentes em outros alimentos, como alguns tipos de peixe, podendo assim enriquecer a nossa dieta sem recorrer aos fritos. No entanto, se optar pelas frituras este óleo trazer-lhe-á mais benefícios.


Por qual é que optarias?